Análise: 'Me Chame Pelo Seu Nome' e o amor de verão


Call Me By Your Name, filme dirigido por Luca Guadagnino, é baseado no livro de mesmo nome que acompanha Elio (Timothée Chalamet), um jovem talentoso e poliglota que está aproveitando o verão em algum lugar no norte da Itália, na casa dos pais. Oliver (Armie Hammer) chega na casa para ajudar o pai do garoto em um estudo acadêmico, trazendo novas dinâmicas e tensões para Elio.


O filme vem sendo comparado como o Moonlight do ano (Ganhador do Oscar de melhor filme de 2017) Há similaridades, sim. Os dois se tratam de um romance homosexual, são estórias de amadurecimento e ambos carregam características muito fortes de sinestesia. Através de cores, enquadramentos, iluminação e músicas atmosféricas, o filme é capaz de criar sensações. Esse recurso é uma influência do diretor Chinês Wong Kar-Wai. Famoso por criar texturas no cinema e com filmes muito marcantes com o uso da culinária e da sensualidade não erotizada. Referência confessada de Barry Jenks (Moonlight) e nas entrelinhas de Call me By your name.


Porém, as diferenças aparecem no roteiro e nas condições dos personagens. Enquanto em Moonlight o protagonista sofre em um ambiente hostil, que mais tarde vai o forçar e o moldar a um comportamento que não o representa, Elio tem todo o suporte (emocional e financeiro) dos pais para viver o que ele quiser. Posição essa que vão manter até o final do filme. Então, o atrito e conflitos ficam mais concentrados na relação do que no meio.


O Filme todo é carregado de intelectualidade, com referência a cultura, arte, e história, e isso poderia criar uma barreria com o espectador se essa característica fosse central na narrativa, mas não é. Ela serve para contextualização do dia a dia dos personagens, mas o filme entende que essa não é o principal a ser abordado. O próprio Elio entende isso, quando reconhece que entende de muitas coisas, mas não das mais importantes.


A presença de Oliver em tela é notável, ele passa seu chame intelectual e físico. Somos apresentados pelo personagem pela perspectiva de Elio, com a câmera de cima, simulando a visão da janela. Cada um dos dois reagem aos seus sentimentos de um jeito diferente. Enquanto Elio se irrita, briga consigo mesmo e com seus sentimentos, Oliver, por mais que pareça ter controle de todos os seus movimentos, mostrando senso de auto-conciência e responsabilidade, vai mostrando sua vulnerabilidade aos poucos. O auge disso vai ser no final do filme, com uma revelação que vai mudar toda a perspectiva dos seus atos durante o filme.


SPOILERS


A descoberta do noivado de Oliver e que ele tinha um relacionamento enquanto estava tendo o caso romântico com Elio, mostra que o jovem também se deixou levar pelos sentimentos, tomando uma decisão irresponsável, levando a infidelidade. O take de Elio olhando para a lareira enquanto os créditos aparecem, foi filmada com a intenção de fechar o arco do personagem, onde ele passa pelo processo final de amadurecimento, aceitando sua história com Oliver e seu (momentâneo) desfecho. Ao ser chamado pelo seu próprio nome, o garoto remete ao amor de verão que viveu, se lembra do outro e de como isso será, para sempre, parte da sua história. A experiência, mesmo que rápida, foi real o marcou, assim como seu pai teve algo semelhante, mas não viveu isso de forma tão intensa.


Com um tom intimista e com um ritmo próprio, o filme é um retrato perfeito sobre a paixão de verão. As moscas são um símbolo recorrente, proposital ou não, desse sentimento efêmero, com data para acabar. Mas que, nem por isso, deixa de ser real.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.